Capacidade criativa. Se você tem: USE!

De todos os aspectos do meu trabalho, certamente, o que  mais aprecio é a oportunidade de ser professor. Além de estar  contribuindo para o crescimento pessoal e profissional dos meus alunos – que acabam se tornando colegas e amigos – nunca existiu uma aula em que eu não fosse brindado com algum conhecimento novo.

O programa de Segurança da Informação da EXIN
O programa de Segurança da Informação da EXIN

Esta semana, ministrei uma turma do curso oficial da EXIN de ISMAS (Gerenciamento Avançado em Segurança da Informação de acordo com a ISO/IEC 27002). Uma das dinâmicas do treinamento continha um cenário onde os participantes precisavam criar um business case, para um controle de segurança e justificar um custo elevado para o negócio.

 

Dinheiro não cresce em árvore!
Ta pensando que meu dinheiro cresce em árvore?!

Representando o papel do CFO (Chief Financial Officer), aproveitei para ser o típico chefe estressado: falar alto, questionar tudo – em especial o óbvio, ser irônico e nada compreensivo com meus alunos (desculpem-me! Fazia parte do exercício!).

Meu principal papel foi brigar com qualquer um que tivesse a ousadia de me recomendar um investimento de um milhão e meio de reais apenas por que minha empresa possuía 23 unidades de firewall obsoletas, que não atendiam aos requisitos contratuais junto aos meus clientes e precisavam ser substituídas para não por a organização em risco.

A idéia do exercício era permitir que os participantes vivenciassem um pouco da dificuldade, que boa parte dos gestores de segurança enfrenta diariamente quando precisa “vender” segurança da informação para o negócio.

Quem pensa que a estratégia vencedora é apostar em um custo menor (embora isso não seja nada mal e agrade bastante ao nosso CFO estressado) muito se engana. A chave real do sucesso é saber falar na linguagem do negócio e ao mesmo tempo conseguir demonstrar que o custo reflete a natureza do risco ao qual a organização está sujeita.

Eis que oportunamente, fui surpreendido por um dos alunos, que teve a criatividade de: além de expor sua explicação no flip chart, usar um bloco de papel para criar um “iPad mini” com o resultado do exercício. Não preciso dizer que esta foi a equipe que teve o melhor resultado.

iPadMini
iPadMini criado com um bloco de notas

Para meus alunos e colegas, que fique o exemplo: Nunca tenham medo de permitir que seu brilhantismo e criatividade sejam refletidos em seu trabalho.