Pesquisa Nacional de Segurança da Informação: Divulgação dos resultados!

Um dos trabalhos que mais me agradou esse ano, foi à possibilidade de coordenar a Pesquisa Nacional de Segurança da Informação realizada pela DARYUS Strategic Risk Consulting. Afinal, essa era uma oportunidade de colocar no papel um retrato fiel de fatos que vejo no meu dia a dia como consultor.

pesquisa_resultados
clique na imagem para baixar a pesquisa!

 

A pesquisa, realizada em parceria com a EXIN e IT MÍDIA, é fruto do esforço de um grupo profissional com ampla experiência prática no assunto, além de toda comunidade que se prontificou a contribuir. O objetivo era claro: Apresentar a forma como a maioria das empresas brasileiras encara a Segurança da Informação.

Leia mais

PDF – Palestra: Auditando Segurança da Informação – Combatendo fraudes e controlando riscos

Prezados colegas,

Estou disponibilizando AQUI o material de apoio da palestra que apresentei no dia 31/03 durante o Seminário de TI da turma de MBA de Governança de TI na FIC/CE. Novamente, agradeço ao Prof. Otávio Frota pelo convite.

Auditando Segurança da Informação - Combatendo fraudes e controlando riscos

 

Por que falham planos de recuperação de desastres e continuidade de negócios?

Sim, essa é a imagem mais batida sobre DRP, mas não tem nenhuma outraa que expresse tão bem planos intuitivos!
Scott Adams – Dilbert : Cartoon amplamente divulgado mas que não tem igual quando o assunto é mostrar a fragilidade de um PRD.

Planos de recuperação de desastres (PRD) e continuidade de negócios (PCN) nos preparam para lidar com crises e podem ser resumidos como diversas ações preventivas ou corretivas que são sistematicamente estabelecidas e condensadas em um plano que, quando ativado, deve reger ações de pessoas chave da organização e seus resultados podem simplesmente ser a diferença se a organização vai estar lá amanhã.

Entretanto, como já dizia herr Helmuth: “Nenhum plano de batalha sobrevive ao contato com o inimigo.” Esta máxima do estrategista pode ser perfeitamente aplicada a qualquer cenário de crise onde sempre vai existir um certo nível de incerteza.

Voltando ao tópico deste artigo, existem diversos motivos pelos quais mesmo o melhor dos planos pode falhar.

Muitos planos falham desde o seu início devido a uma análise de riscos ou mesmo uma análise de impacto nos negócios mal elaboradas e que não representam a realidade da organização.

Hoje vamos focar em um dos aspectos mais importantes e que pode simplesmente acabar com o mais bem elaborado dos planos. Para isso vou pedir a ajuda de minha série preferida: Os Simpsons.

Mr. Burns e a simulação de incêndio

Recomendo parar esta leitura por alguns segundos e dar uma olhadinha neste vídeo do episódio “A montanha da loucura” dos Simpsons:

Os Simpsons – 8ª Temporada Episódio 12 Completo e Dublado.

Se você está sem paciência, segue um resumo: Um belo dia, estando entediado no trabalho o Sr. Burns – dono da usina nuclear de Springfield – resolve agitar as coisas e escolhe um cenário comum a qualquer empresa – um “velho e bom” fire drill (teste de evacuação de incêndio).

Excelent!
Excelent!

O que se vê a seguir são uma série de trapalhadas no estilo Simpsons culminando em Homer trancando a maioria dos empregados e perguntando se tinha ganho o premio por ser o primeiro a sair do escritório. Nada mais longe da realidade, correto?

Não. Posso atestar em primeira mão que já conduzi um teste semelhante em uma instituição financeira que resultou no “Homer local” pegando uma vassoura para tentar silenciar o alarme de incêndio que o estava importunando. Nice!

Se dermos uma olhada mais aprofundada no exemplo dos Simpsons logo vamos descobrir os principais motivos de falha (que acredito serem os mesmos do meu exemplo real):

 

 

Mad dog drill? Esse eu gostaria de ver!
Fire!

Erro I: Nem os melhores planos duram para sempre

Primeiramente vamos olhar os cenários de teste a disposição de Mr. Burns:

• Alerta de derretimento (do reator nuclear)
• Ataque de cachorros loucos
• Ataque de Zepelim
• Evacuação de Incêndio

Como vimos em Fukushima, um alerta de derretimento é obviamente pertinente a uma usina nuclear e quanto a cachorros loucos realmente não sei o que dizer.

Porém, o último ataque de Zepelim foi registrado em 1940 ainda durante a segunda guerra mundial.

 

We all live in a yellow submarine!

Eis o primeiro grande erro. Assumindo que a série dos Simpsons se passava nos anos 90, acredito que deixar um plano que caiu em desuso por 50 anos não possa ser considerado uma boa prática.

Infelizmente, este cenário me lembra muito mais a realidade do que ficção pois como consultor é algo com que me deparo em empresas em diversos portes com uma frequência que considero nada menos que assustadora.

Erro dois: Estamos preparados!

Vamos a uma breve lista das pequenas trapalhadas do vídeo dos Simpsons:

  1. Carl pensa que o alarme de incêndio é o micro-ondas avisando que as pipocas estão prontas
  2. Lenny espera o café ficar pronto antes de sair
  3. Vários empregados correm em aparente desespero
  4. Um empregado usa um extintor para “se defender”
  5. Homer volta a seu escritório para buscar um retrato
  6. Um empregado corre desesperado em círculos sem tomar nenhuma outra ação aparente
  7. O plano de evacuação deveria ser concluído em 45 segundos, mas o Smiters não sabe informar quanto tempo levou, pois o cronometro só marca até 15 minutos

E a cereja do bolo:

  1. Homer (que para quem não sabe é inspetor de segurança) tranca os demais empregados e pergunta se ganhou um premio!

Em resumo o que estamos vendo é:

Sim, isto é mais próximo da realidade do que você está pensando.

Novamente devo dizer que os erros acima apresentados não poderiam estar mais próximos da realidade.

Dentre os muitos exemplos que já vi pessoalmente, ressalto o caso de uma funcionaria que não queria deixar o escritório sem salvar um documento e enviar por email e diversos casos onde pessoas voltaram para buscar algum tipo de pertence pessoal ou da empresa.

Esta é a infeliz realidade dos planos informais que se baseiam na intuição das pessoas. A criação de uma cultura institucional é a chave de sucesso de qualquer PRD ou PCN. Lembre-se sempre: mesmo com uma boa preparação, a reação dos seres humanos é um dos pontos mais imprevisíveis em momentos de crise e em especial durante desastres.

Como escapar dessas armadilhas?

Presumir é a chave do insucesso e a base para criação de planos ineficazes.

  1. Presumir que algo é conhecido, quando na verdade ninguém conhece.
  2. Presumir que algo é simples, quando não o é.
  3. Que existe alguém competente tomando conta deste algo!

Planos de recuperação de desastres ou de continuidade de negócios são elementos “vivos” e devem ser tratados desta forma, não basta criar um bom plano e acreditar que sua organização estará protegida.

PDCA: ABNT NBR 15999-1
PDCA: ABNT NBR 15999-1

Qualquer bom profissional de continuidade de negócios vai lhe garantir que os dois aspectos mais importantes para garantir a pertinência de um PCN a sua organização são revisão e treinamento.

A dinâmica da maioria das empresas acarreta em aquisições, fusões, novos negócios, entrada e saída de colaboradores. Planos devem ser revisados com uma periodicidade regular (recomendo intervalos não maiores que 12 meses) e adequadamente comunicados a todos os indivíduos envolvidos.

Testes periódicos são uma parte essencial, mas cuidado, não faça como o Mr. Burns que aprendeu da forma mais difícil: um teste mal planejado pode ter um impacto bastante similar a um desastre real!


http://www.youtube.com/watch?v=ZHRWg70apMM

http://en.wikipedia.org/wiki/Helmuth_von_Moltke_the_Elder

http://en.wikipedia.org/wiki/Mountain_of_Madness

http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=59370

Segurança Digital – 3ª edição setembro 2011

Revista Segurança Digital - 2ª Edição - Setembro 2011
Revista Segurança Digital - 2ª Edição - Setembro 2011

Lançar uma revista de Segurança da Informação traz sempre um grande risco de cair no comum e não conseguir brilhar diante da ampla quantidade e qualidade de publicações disponíveis na mídia convencional ou independente. E é com essa visão que no final de setembro estamos publicando nossa segunda edição recheada de matérias que abordam desde aspectos técnicos até a definição de estratégias de segurança corporativa.

-Baixe a revista agora-

A matéria de capa trata da Cyberguerra e reflete um cenário amplamente divulgado pela mídia, mesmo que nem sempre de forma justa. Quantas vezes confundimos hackers com crackers? Quantas vezes deixamos de nos preocupar com seus motivadores, com suas ambições e suas falhas? Muitas organizações simplesmente adotam uma postura neutra acreditando “que este problema não é meu” até que descobrem tarde demais que eram uma peça de um jogo onde muitas vezes as regras são tão confusas quanto injustas.

O registro dos usuários e o armazenamento de logs joga luz sobre aspectos legais de mitos como o anonimato na internet, que muitas vezes é o mantra de um lobby de empresas que não estão dispostas a abrir mão de seus lucros para investir em uma estrutura que pode apoiar a rápida solução de crimes digitais.

Nossa sessão de dicas traz o uso de uma ferramenta de criptografia extremamente maleável, poderosa e gratuita, o TrueCrypt, que permite a criação de drives ou partições seguras e uso transparente de criptografica. Continuamos discutindo e explicando questões bastante similares às provas do CISSP da ISC², uma das certificações de segurança mais desejadas e respeitadas a nível internacional.

Por fim, apresentamos uma abordagem realista para apoiar a árdua (e muitas vezes ingrata), mas extremamente importante tarefa da criação e manutenção de uma Política de Segurança da Informação, um excelente ativo estratégico que impulsiona a criação de uma cultura de proteção aos dados corporativos.

Tudo isso e muito mais foi feito pensando em você, caro leitor, que agora é convidado não só como mero coadjuvante, mas como peça principal em nosso cheque mate. Queremos a sua opinião, a sua dúvida, a sua participação, a sua crítica. Mais que tudo, queremos fazer bom uso do seu tempo divulgando e expandindo o corpo de conhecimento comum sobre assuntos sempre presentes no contexto profissional, que com uma frequência cada vez maior transcendem para nossas vidas pessoais.

Hinc robur et securitas