Gestão de Continuidade de Negócios x Plano de Recuperação de Desastres: Entenda a diferença!

MESMO HOJE, ALGUNS PROFISSIONAIS AINDA CONFUNDEM CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS COM RECUPERAÇÃO DE DESASTRES.

O Plano de Recuperação de Desastres (PRD) visa restaurar, o mais rápido possível e mesmo com desempenho reduzido, a TIC que sustenta processos críticos do negócio. O PRD só é concluído quando tudo já foi completamente recuperado e a empresa pode voltar ao seu “estado de normalidade”.

Mesmo entendendo que a maioria dos processos de negócio são dependentes da TIC, existem outros componentes que são essenciais a uma boa Gestão de Continuidade de Negócios (GCN). Esse é o caso com o Plano de Comunicação em Crise, que define pontos vitais como: A forma como a organização deve se comunicar, o tom da mensagem e quem deve estar a frente da comunicação. Tudo isso de acordo com o nível/tipo de crise.

PRD - Plano de Recuperação de Desastres, PCO - Plano de Contingencia Operacional, PCOM - Plano de Comunicação, PGC - Plano de Gestão de Crises
PRD – Apenas uma parte da Gestão de Continuidade

Ainda ontem um dos meus alunos de uma turma do curso CISA em BSB me perguntou: O que acontece quando a empresa faz um “Plano de Continuidade” somente para TIC?

Bem, a resposta é obvia, sua Gestão de Continuidade de Negócios – reduzida exclusivamente ao PRD – fica míope. Cuidado apenas de um aspecto, mesmo dos mais relevantes, parte significativa dos riscos/impactos a organização não será tratada, e seu resultado para o negócio pode ser catastrófico.

Para fechar o exemplo, perguntei: “O que a TIC pode fazer, no caso de uma crise como a da Ellus, que lançou uma campanha estratégica com o tema “ABAIXO ESTE BRASIL ATRASADO“, e foi imediatamente detonada quando um colunista do Estadão lembrou que – apesar da marca considerar o governo culpado pelo atraso do Brasil – a Ellus é acusada de utilizar mão de obra escrava em sua produção?”

O que a TI pode fazer neste cenário de crise? Praticamente NADA. No máximo se preparar para eventuais ataques de hacktivistas. A campanha segue amplamente difundida em vários sites, associando a marca ao trabalho escravo. Acho que esse não era o objetivo inicial da turma do marketing!

Eis o provável resultado quando se limita a GCN apenas ao Plano de Recuperação de Desastres. Não custa nada lembrar que no mundo corporativo, crises são inevitáveis. O quão preparado você está, incluindo a abrangência em todos os aspectos de Continuidade, é que vai definir o nível de impacto para sua organização, e até a sobrevivência da mesma.

Comentários

Comentários