Ameaças internas e cibersegurança: quais os impactos reais e controles mais efetivos?

QUANDO O ASSUNTO É CIBERSEGURANÇA TENDEMOS A FOCAR EM COMO NOS PROTEGER DO MUNDO EXTERNO EM DETRIMENTO DAS AMEAÇAS INTERNAS. Não que isso esteja exatamente errado: Ransonwares, ataques de negação de serviço, cibercriminosos em todos os locais do planeta e um número impossivelmente alto de fontes de ameaça e vulnerabilidades que podem expor o ambiente corporativo são o pesadelo para qualquer gestor de segurança da informação.

O problema é quando passamos a minimizar os controles que são direcionados para ameaças dentro de casa, incluindo nossos próprios colegas de trabalho, terceiros contratados ou visitantes. Não é nada interessante pensar que a pessoa que está sentada próximo a você pode estar pronta para cometer um ciberdelito, mas a realidade é que fontes internas podem ser tão ou mais impactantes que ataques externos, afinal, possuem conhecimento adquirido sobre o funcionamento da empresa, seus pontos fortes e fracos, e também credenciais e senhas de acesso válidas, que podem ser usadas como base para ataques extremamente direcionados que muitas vezes passam desapercebidos. Todo bom CISO deve buscar meios para frustrar ameaças internas. Mas qual é a maneira realmente efetiva de encarar esse desafio? Bem, vamos a alguns pontos essenciais:

Passo 1: Reconhecendo os tipos de ameaças internas

O primeiro ponto é bastante obvio, é necessário que você entenda as fontes de ameaça internas. Muitos incidentes de segurança ocorrem de maneira acidental, devido a falta de regras ou conhecimento por parte dos envolvidos. Um dos mais comuns são casos onde um colaborador sai da empresa e leva junto um “backup” dos seus e-mails, planilhas e documentos. Malicia? Imperícia? Imprudência? Não importa, é um vazamento de informações corporativas que podem ir parar nas mãos de concorrentes.

Os casos de incidentes deliberados também não são raros. Tive a oportunidade de prestar consultoria a uma empresa que teve o infeliz caso onde um setor inteiro pediu demissão. Haviam copiado todos os arquivos de projetos estratégicos, abriram uma nova empresa e em seguida venceram uma concorrência de mais de USD 10.000.000 que meu cliente estava trabalhando há mais de dois anos.

Pequenos abusos de privilégio também não são incomuns, especialmente dentro da área de TI. Por exemplo, enquanto é difícil encontrar pessoas que “adoram” seguir o processo de gestão de mudanças, não é nada raro ter conhecimento de casos onde a própria equipe de TI burlou regras e, por exemplo, implantou algo diretamente em produção. Parece algo inconsequente, não é? Até um outro cliente me contar como uma pequena alteração em configurações do seu firewall tornaram o sistema de vendas por cartão de crédito inoperante. Era uma grande empresa varejista brasileira, como a paralisação durou em torno de 2 horas, o montante de vendas perdido superou R$ 20.000.000,00 (sim, o valor foi esse mesmo, não errei na digitação…). Foi um preço bem alto para convencer a direção da necessidade de se implantar um plano de recuperação de desastres e melhorar boas práticas de gestão de serviços de TI.

Por fim, a infeliz realidade é que toda grande organização está sujeita a ter em seu quadro pessoas que são literalmente criminosos. Ocorrências de vendas de informações, sabotagens, espionagem, hacking, fraudes e corrupção são muito mais comuns do que imaginamos e – novamente – em boa parte das vezes não são descobertas a tempo.

Passo 2: Gerenciando riscos internos

Entender as fontes de ameaça é um ponto essencial, mas apenas isso não vai impedir a ocorrência de incidentes. Construir uma boa gestão de riscos é fundamental, assim como entender que o seu escopo deve estar alinhado a realidade da empresa. O que queremos proteger? Quais são os impactos reais que ocorrências de segurança podem causar? Quais são os controles atuais de segurança da informação e o que ainda precisamos implantar para garantir níveis adequados de proteção?

Todas essas são questões que devem ser respondidas não só uma vez, mas sim periodicamente, afinal a gestão de riscos é um processo contínuo, que vai exigir investimento e disciplina para poder ser realmente efetivo. Existem diversas publicações que podem ajudar CISOS a implantar um bom programa de gerenciamento de riscos, mas como o tema é segurança da informação recomendo particularmente a ISO 27005 em conjunto com o CobiT 5.

Passo 3: Usando a tecnologia para se proteger de ciberameaças

Existem inúmeras soluções focadas na proteção contra as mais recentes ciberameaças. Se você já sabe o que realmente precisa proteger, busque entender como a tecnologia pode trabalhar a seu favor. Machine Learning, IA, ATP, DLP são todas buzzwords que ficam maravilhosas em apresentações no Power Point, mas entenda que soluções tecnológicas devem estar bem alinhadas com a sua gestão de riscos. Afinal, comprar uma ferramenta apenas por que ela aparece como líder no quadrante mágico do Gartner pode ser um péssimo investimento se você não conseguir realizar o tratamento de riscos específicos ao seu cenário atual.

Será que estamos olhando para soluções que pensam somente nos riscos externos? Será que parte dos controles essenciais que usamos em sistemas publicados na internet não são deixados de lado quando são acessados apenas dentro de casa? Como andam suas trilhas de auditoria? Você consegue identificar quem fez o que e quando? Essas são perguntas que devem ser respondidas para tratar ameaças internas.

99% bom funcionário.. mas aquele 1% é cibercriminoso 🙂

Passo 4: Entendendo a importância dos processos para Segurança da Informação

Tecnologia não é o único fator que vai garantir uma boa proteção ao seu ambiente. Criar processos adequados a sua realidade deve ser uma prioridade para a gestão de segurança da informação. Uma boa gestão de identidades pode prevenir muitos casos de vazamento ou abuso de privilégios. Outro ponto interessante é ter um bom alinhamento com o departamento de recursos humanos, e em alguns casos específicos com o jurídico, sobre verificação de antecedentes e saúde financeira de novos colaboradores ou mesmo veteranos que ocupam posições críticas na organização. Esse é um tema delicado, mas um empregado que está passando por uma situação financeira difícil e tem acesso a ativos estratégicos da organização, pode se sentir tentado a cometer fraudes ou mesmo participar em ações de espionagem industrial, venda de informações sensíveis.

Um dos processos mais importantes é o de resposta a incidentes de segurança da informação. Muitas ocorrências passam dias, meses ou mesmo anos até ser descobertas. Nesse caso a única opção é aprender com os erros e assumir o impacto. Idealmente, uma boa gestão de incidentes deve ser efetiva na detecção e resposta de ocorrências de segurança independentemente se a origem é interna ou externa.

O fato é que processos são vivos, precisam amadurecer constantemente e tirar lições aprendidas de desvios e ocorrências impactantes. Mas nada disso vai bastar se sua equipe não estiver adequadamente treinada e disciplinada para seguir cada passo necessário. Processos que não são respeitados tendem a ser contornados e esquecidos, só são realmente lembrados quando algo dá errado, o que é bem provável nesse cenário.

Passo 5: Educando pessoas e mudando a cultura corporativa

Educação e cultura corporativa são os dois pontos relacionados a Segurança da Informação que mais me chamam atenção nos últimos anos. Infelizmente boa parte das vezes ambos são postos de lado justamente por que falta uma percepção real de sua importância como ferramenta disruptiva para criação de um novo patamar de proteção.

Pessoas muitas vezes são vistas como o elo mais fraco na segurança da informação, mas quando adequadamente treinadas e conscientes da importância que possuem na proteção do ambiente corporativo, funcionam extremamente bem como firewalls humanos. O primeiro passo é ter um bom entendimento da atual cultura corporativa buscar o apoio da alta direção na criação de um programa de conscientização sobre segurança da informação.

Mudar a forma como pessoas pensam e agem é bem mais demorado do que alterar uma configuração ou implantar uma nova tecnologia, mas no longo prazo o resultado é muito mais significativo. Um programa de conscientização efetivo vai garantir que um nível adequado de educação seja entregue a todos os níveis corporativos: Colaboradores que são apenas usuários de sistemas devem ter noções das políticas e procedimentos adotados pela empresa, assim como conhecimento básico dos principais conceitos de segurança. Executivos devem estar cientes de ameaças mais avançadas/direcionadas como ataques de engenharia social e spear phishing. A equipe de segurança deve receber níveis adequados de treinamento em todas as tecnologias adotadas. E por último, mas nem um pouco menos relevante, todos devem estar cientes das consequências de se violar regras ou mesmo tentar cometer ilícitos, a organização nunca deve ter medo – e precisa ser extremamente clara – sobre como serão aplicadas sanções e punições.

Seguir esses passos garante que todas ameaças internas estarão contidas? Infelizmente não, toda boa gestão de riscos parte do princípio que certas ameaças não são completamente eliminadas, o importante é garantir níveis apropriados de tratamento aos riscos e se você adotar as recomendações acima, com certeza, é isso que vai acontecer.

Comentários

Comentários